O Código Internacional de Doenças (CID) foi criado com a intenção de identificar as tendências e estatísticas de saúde globais e também informar as condições de saúde e doenças internacionais. Hoje o CID é considerado a classificação padrão para o diagnostico e para fins de pesquisas.

A primeira edição do CID, chamada em sua tradução livre de "Lista de Causas de Morte", foi adotada internacionalmente em 1893. Desde então a listagem passou por várias revisões e edições que refletem o avanço da tecnologia na área da saúde e da medicina ao longo do tempo, sendo o CID-11 um marco, pois o mesmo deve ser lançado digitalmente.

Antes de continuarmos, precisamos saber: você já utiliza um software médico para realizar seus atendimentos na clínica? Convidamos você a conhecer o Ninsaúde Apolo, software online que pode ser utilizado em um tablet, smartphone ou da forma tradicional, em computadores. Saiba mais em nosso site apolo.app.

O CID-10 foi adotado em 1990, possui mais de 20 mil artigos científicos, é usado em mais de 150 países e traduzido em mais de 40 línguas. O CID-11 deve reunir todos os avanços da medicina, modificações e adaptações, adicionar necessidades clínicas e poderá ser usado para fins estatísticos de classificação.

O CID também define o universo de doenças, desordens, lesões, e outras condições, listadas de forma compreensível para:

  • Ter armazenadas informações sobre doenças e condições de forma a auxiliar a tomada de decisões;
  • Compartilhar e comparar as informações de saúde entre hospitais e regiões do mundo;
  • Comparação de dados da mesma localidade através de um período de tempo.

Com o CID, é possível monitorar alguns dos marcadores de saúde, sendo eles:

  • Monitorar a incidência e prevalência de uma doença;
  • Causas de morte;
  • Causas externas de doenças;
  • Monitoramento global de resistência antimicrobial;
  • Primeiro atendimento básico;
  • Medicamentos, histopatológica, alergênicos e químicos;
  • Códigos para a documentação de segurança do paciente alinhados com as diretrizes da ONU;
  • Documentar os casos de doenças raras;
  • Relação de diagnósticos de grupos e distribuição de recursos;
  • Implementação de diretrizes.

O CID é utilizado por médicos, enfermeiros e outros agentes de saúde, pesquisadores, gerentes de informação de saúde e programadores, pessoas que trabalham em áreas da tecnologia voltadas para a saúde, companhias de seguros e apólices, e organizações em prol de pacientes.

O CID permite e incentiva a participação da comunidade médica e seus colaboradores em suas revisões, tanto contribuindo com novas informações médicas quanto em traduções para outras línguas da edição. Para participar da ultima revisão, é necessário primeiro se registrar na plataforma do CID-11, e as mudanças sugeridas após aprovadas entram em vigor imediatamente. As mudanças são revistas por especialistas. O site do CID-11 também oferece treinamentos educacionais de forma online e gratuita, você pode checar o pacote de treinamentos aqui.

Criando a conta é possível enviar:

  • Comentários sobre a estrutura, contexto e implementação;
  • Fazer sugestões de mudança de categorias;
  • Sugestões de definição de doenças;
  • Participar de testes;
  • Contribuir para as traduções.

A próxima edição do CID, o CID-11, está atualmente em processo de revisão e edição e deve estar pronto efetivamente em Janeiro de 2022.

Fontes: WHO - World Health Organization