Com um capital de mais de 1.2 bilhões em jogo e com o ritmo da ruptura tecnológica, a indústria farmacêutica se adapta rapidamente aos novos tempos.

Com avanços em Inteligência Artificial (IA), capacitação do paciente e medicamentos impressos em 3D, conheça a seguir 5 tendências farmacêuticas que serão o foco dessa indústria nos próximos anos.

IA para P&D de medicamentos

Um relatório recente prevê que a inteligência artificial global no mercado de saúde alcançará a barreira de US $ 31,3 bilhões até 2025, crescendo a uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 41,5% ao longo de um período de previsão.

Empresas como Atomwise , Turbine e Deep Genomics usam inteligência artificial para identificar os medicamentos mais adequados para certas condições, fazendo isso em tempo recorde e ao mesmo tempo reduzindo custos.

Um excelente exemplo é o da Atomwise, fornecendo seu algoritmo para realizar a pesquisa de medicamentos no desenvolvimento de um tratamento para infecções pelo vírus Ebola, em parceria com a Universidade de Toronto e a IBM. O algoritmo previu duas drogas que poderiam reduzir significativamente a infectividade do Ebola. Essa análise, que normalmente levaria meses ou até anos, foi concluída em menos de um dia.

Imagem meramente ilustrativa

Envolvimento do paciente em conselhos consultivos e design de medicamentos

Em um futuro não muito distante, as empresas farmacêuticas devem envolver os pacientes em projetos de medicamentos, testes e até mesmo na tomada de decisões para melhor atender às suas necessidades. Afinal, seus medicamentos são destinados ao consumidor final e será benéfico para ambas as partes ter medicamentos mais bem elaborados para a máxima comodidade dos pacientes de forma mais regulamentada.

Um exemplo que podemos citar, é o de pacientes diabéticos. Os diabéticos criaram o movimento “#wearenotwaiting” seguindo promessas não cumpridas de empresas de tecnologia médica e órgãos reguladores de fornecer produtos inovadores para melhor atender às suas necessidades. A comunidade decidiu não esperar mais e resolver o problema com as próprias mãos. Esse movimento levou à iniciativas como o pâncreas artificial de código aberto (DIY), plataformas de discussão como DiabetesMine e soluções baseadas em nuvem como Tidepool , que tornam os dados de diabetes mais acessíveis e acionáveis.

Imagem meramente ilustrativa / pâncreas artificial

Atendendo às demandas do paciente, o FDA aprovou o primeiro pâncreas artificial dois anos depois que o pâncreas artificial de código aberto foi disponibilizado ao público. Ao abraçar ainda mais a entrada dos pacientes, o FDA criou seu próprio conselho consultivo de envolvimento do paciente.

Outro exemplo é a criação de plataformas online como a Antidote , que busca participantes e os associa aos ensaios clínicos adequados, reduzindo assim os custos incorridos devido a atrasos na localização dos participantes.

Ensaios in silico

Além dos experimentos in vivo e in vitro, agora teremos também o in silico, que são experimentos realizados por meio de simulação computacional. Ao executar testes de medicamentos em computadores que simulam órgãos, essa tecnologia pode ignorar completamente os testes clínicos in vivo. Além do tempo e da eficácia de custo, os ensaios in silico contornam completamente os testes em animais e os efeitos colaterais em participantes humanos e animais.

O VPH Institute (Virtual Physiological Human) também criou modelos digitais que já estão em uso para estudar doenças cardíacas e osteoporose . De acordo com Liesbet Geris, diretora executiva do Instituto VPH, o FDA já está se preparando para um futuro onde mais de 50% de todos os dados de ensaios clínicos são gerados a partir de simulações de computador.

Imagem meramente ilustrativa

Novas tecnologias na cadeia de suprimentos

Como observamos anteriormente, a IA pode reduzir o tempo de desenvolvimento de medicamentos de anos para dias, economizando custos e tempo e, ao mesmo tempo, encurtando o ciclo de produção de medicamentos para que cheguem aos pacientes mais rapidamente. Integrando com a robótica, a intenção é diminuir ainda mais este ciclo.

Empresas como a Denso Robotics oferecem robôs para automatizar tarefas nos processos de fabricação. A robótica, na forma de exoesqueletos, pode aumentar ainda mais a produção feita em trabalho manual, auxiliando-os com cargas pesadas e apoiando-os para que suportem longas horas de pé ou outras posições desconfortáveis. Os robôs já estão em uso em farmácias como auxiliares de dispensadores, como o PharmASSIST ROBOTx .

Imagem meramente ilustrativa

Comprimidos: novas estratégias de medicamentos

Em vez de focar na fabricação e comercialização de medicamentos tradicionais, as empresas farmacêuticas se concentrarão em abordagens mais recentes, que contam com a tecnologia para atrair mais fornecedores e pagadores. A estratégia “em torno da pílula” é uma dessas abordagens. Refere-se a ir além de apenas produzir e vender medicamentos como eles são, mas sim desenvolver um medicamento e anexar uma tecnologia digital de saúde a ele.

Um exemplo dessa estratégia é a parceria entre o Partners Healthcare Center e a farmacêutica japonesa Daichii-Sankyo para um medicamento anticoagulante “móvel” prescrito para fibrilação atrial. Envolve um dispositivo de monitoramento vestível e um aplicativo para feedback de médicos e outros automatizados do próprio aplicativo.

A gigante farmacêutica Roche também viu potencial nessa abordagem centrada em tecnologia. Em uma tentativa de impulsionar sua unidade de diabetes, a empresa engenhosamente emparelhou o aplicativo mySugr que adquiriu em 2017 com o medidor de glicose Accu-Chek Guide da Roche, permitindo que os diabéticos tenham uma experiência diferente e gamificada para controlar sua condição.

Registrando seus níveis de glicose no sangue, completando tarefas e desafios, os usuários podem “domar seu monstro diabético”. É uma abordagem totalmente diferente que Marcel Gmuender, chefe da unidade de tratamento de diabetes da Roche, prevê que “o caminho a seguir significará vender uma experiência total, não apenas um produto”.

Fonte: Medical Futurist