Definir o preço de consultas é uma tarefa que exige cautela, isso porque é necessário estar atento a diversas questões que englobam não só o atendimento, mas também a fidelização de pacientes e a rentabilidade da clínica.

Ao estabelecer o preço de qualquer procedimento ou modalidade de consulta, é necessário levar em consideração diversos fatores que iremos abordar a seguir. Para isso, se faz necessário realizar um planejamento financeiro, pois somente assim é possível analisar questões como despesas, lucro, mercado, entre outros.

Confira a seguir o que é necessário para criar um planejamento eficiente e como como colocar em prática.

Conheça seu público-alvo

Conhecer seu público-alvo é fundamental para definir o preço de uma teleconsulta. Para isso, é necessário fazer uma pesquisa de mercado e estudar o comportamento desses futuros pacientes perante as opções que eles terão.

Cada especialidade possui suas particularidades. Enquanto algumas não conseguem realizar atendimentos sem exames físicos, outras podem atender normalmente utilizando apenas a telemedicina. Já em casos de retornos, atendimentos que não exigem exames físicos, entre outros, todos eles podem ser realizados normalmente pela telemedicina, e com a mesma eficiência.

Algo essencial é saber o que esses pacientes procuram. Quais as expectativas em relação aos resultados que podem ser obtidos através do atendimento, e de que forma você pode contribuir para isso?

Pode haver um questionamento até por parte dos próprios profissionais de saúde com relação ao atendimento via teleconsulta: será que essa modalidade vale menos que uma consulta presencial? Já vimos no exemplo acima que não, a teleconsulta não tem menor valor que uma consulta presencial, por isso é necessário saber o quanto seu paciente está disposto a pagar por ela.

Mapear as despesas

Com certeza o lucro é a nossa meta, mas não podemos esquecer das despesas, afinal, elas são obrigatórias. Ao definir o valor de um serviço, é importante colocar na ponta do lápis todos os gastos que terá para realizá-lo. É assim que funciona com as consultas, e nas teleconsultas não poderia ser diferente. Vamos aos pontos:

  • A teleconsulta será realizada em home office, ou você precisa alugar um espaço para realizá-la? O aluguel do espaço pode ser considerado uma das suas despesas, seja ele casa, consultório, coworking, entre outros;
  • Você possui um certificado digital? Essa é uma ferramenta que dá validade jurídica aos seus prontuários e prescrições, e por ter um custo adicional, o ideal é inseri-lo junto às despesas;
  • Você utiliza um software de gestão? Softwares geralmente tem mensalidades, ou no caso do Ninsaúde Apolo, o usuário pode optar pela anuidade e assim receber um desconto. O software médico é uma ferramenta de trabalho, portanto não pode ficar de fora das despesas;
  • Caso você possua uma equipe trabalhando com você, não esqueça de incluir os salários como despesas.
  • Despesas de escritório ou manutenção, como água, energia, internet, limpeza, entre outros, também devem ser adicionados, mas cuidado para não misturar as despesas pessoais com as do trabalho.

Depois de mapear os custos fixos, você deve levar em consideração também os custos variáveis, ou seja, aqueles que se originam conforme a quantidade de atendimentos: manutenção de equipamentos, materiais descartáveis, entre outros.

Estabeleça a margem de lucro

Após listar todas as despesas e ter a média de gastos mensais, é necessário estabelecer um valor final para suas teleconsultas, ou uma porcentagem que seja baseada em suas despesas. Para isso, é importante levar em consideração os seguintes itens:

  • A especialidade em que você atua versus os valores praticados pela concorrência;
  • A demanda de médicos que atua na mesma área;
  • Média de gastos com despesas;
  • Situação atual dos pacientes (por exemplo, se estiver passando por uma pandemia, é interessante pensar numa série de dificuldades que os pacientes possam passar para pagar uma consulta).
  • Por quais diferenciais seus pacientes são atraídos?

Tendo essas informações, determine o custo por hora de atendimento, ou seja, então esse cálculo dependerá de férias, feriados e horas trabalhadas por dia, tanto seu, quanto da sua equipe.  Sendo assim, faça o seguinte cálculo:

  • Faça a contagem dos dias trabalhados por mês e multiplique pela quantidade de horas trabalhadas por dia;
  • Divida o total de gastos pelas horas trabalhadas. O resultado é o custo de cada atendimento feito com duração de uma hora.

Após analisar todos os pontos citados e finalmente definir o preço de sua teleconsulta, fica aqui a dica para conseguir administrar tudo isso: utilize um software de gestão, caso ainda não utilize.

O software poderá ser útil não só para atender seus pacientes através da telemedicina, como também poderá criar agendamentos e até confirmá-los de maneira automática, o que deixa sua rotina muito mais produtiva e traz praticidade às suas atividades. Além disso, através de um sistema você poderá cadastrar os serviços e preços das consultas, lançar os recebimentos no módulo financeiro e economizar tempo ao calcular comissões e outras despesas.

Não utiliza um software ainda? Conheça o Ninsaúde Apolo, entre contato com nossa equipe de vendas e solicite uma demonstração.