O Dia Mundial da Saúde é uma data comemorada anualmente, e a cada ano chama a atenção para um tema específico da saúde que preocupa as pessoas em todo o mundo. O dia 7 de abril foi o escolhido pois coincide com o aniversário de fundação da OMS (Organização Mundial da Saúde), que nasceu em 1948.

Na data indicada, a OMS também realizou a Primeira Assembléia Mundial da Saúde (AMS). A AMS é o órgão decisório da OMS, composta atualmente pelos 194 países-membros através de seus respectivos ministros da saúde. Passado algum tempo, mais precisamente em 1950, a comemoração do Dia Mundial da Saúde se oficializou, sendo celebrada até hoje. A data tem como objetivo criar consciência sobre um tema específico da saúde, para assim destacar uma área prioritária de preocupação para a OMS.

No ano de 2021 o tema escolhido para a campanha foi: "Construindo um mundo mais justo e saudável". O foco é reverter a situação da sociedade que se encontra em um mundo desigual, além de alertar que tal situação não é apenas injusta, mas também evitável.

Como destacou a COVID-19, algumas pessoas conseguem viver com mais saúde e ter melhor acesso aos serviços de saúde do que outras - inteiramente devido às condições em que nascem, crescem, vivem, trabalham e envelhecem.

A COVID-19 atingiu duramente todos os países, mas seu impacto foi mais severo nas comunidades que já eram vulneráveis, que estão mais expostas à doença, com menor probabilidade de ter acesso a serviços de saúde de qualidade e maior probabilidade de sofrer consequências adversas como um resultado das medidas implementadas para conter a pandemia.

Devemos abordar as causas da iniquidade em saúde hoje, para garantir um amanhã mais seguro e saudável

Frase acima citada por Dr. Takeshi Kasai, Diretor Regional da OMS do Pacífico Ocidental.

Confira abaixo algumas das consequências da desigualdade, principalmente na atual situação em que vivemos (em meio à uma pandemia):

  • Pela primeira vez em 20 anos, os níveis globais de pobreza devem aumentar e impedir o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável;
  • Até 60% das pessoas que vivem em alguns países da Região carecem de cobertura com serviços essenciais de saúde;
  • Mais de 1 bilhão de pessoas que vivem em assentamentos informais ou favelas estão enfrentando desafios crescentes na prevenção da infecção e transmissão do coronavírus;
  • A região da Ásia-Pacífico como um todo responde por quase 82,5 milhões ou 32% dos migrantes internacionais do mundo;
  • 5,9 milhões de crianças na região da Ásia-Pacífico correm o risco de não retornar à escola devido à interrupção da educação e ao impacto econômico da pandemia;
  • 52% da população da Ásia-Pacífico permanece desconectada da Internet.

E assim prosseguimos lutando para que toda a população possa ter os mesmos direitos, principalmente o direito à saúde. Ao mesmo tempo, pedimos aos líderes que monitorem as iniquidades em saúde e garantam que todas as pessoas tenham acesso a serviços de saúde de qualidade quando e onde precisarem.

Fonte: World Health Organization