Interoperabilidade é a capacidade de sistemas, dispositivos ou componentes diferentes de se comunicarem e trocarem informações de maneira eficiente e sem problemas. Essa capacidade permite que diferentes sistemas operem juntos de forma integrada, compartilhando dados e recursos entre si, e quando utilizada no seu sistema de gestão para clínicas, pode trazer muitas vantagens para os profissionais de saúde, gestores e pacientes.

A interoperabilidade é essencial para garantir que diferentes sistemas possam trabalhar juntos, não só na área da saúde, mas também no que diz respeito à área de finanças e tecnologia da informação. Sem interoperabilidade, os sistemas podem ficar isolados e não serem capazes de compartilhar informações importantes, o que pode levar a erros, atrasos e outros problemas.

Existem diferentes tipos de interoperabilidade, como por exemplo a interoperabilidade técnica, que se refere à capacidade dos sistemas de se comunicarem de forma padronizada; a interoperabilidade semântica, que se refere à capacidade dos sistemas de compartilharem significados comuns; e a interoperabilidade organizacional, que se refere à capacidade das organizações de trabalharem juntas para alcançar objetivos comuns.

Antes de continuarmos, precisamos saber: Você já conhece o sistema Ninsaúde Clinic? O software médico Ninsaúde Clinic possui agenda ágil e completa, prontuário eletrônico personalizado para cada especialidade e com validade jurídica, teleconsulta, controle financeiro, faturamento de convênios e muito mais. Agende uma demonstração ou experimente o sistema Ninsaúde Clinic agora mesmo!

Existem vários padrões de comunicação que são usados na interoperabilidade, o que poderá depender do tipo de sistema e da finalidade da comunicação. Alguns dos padrões mais comuns incluem: HTTP (Hypertext Transfer Protocol), XML (Extensible Markup Language), JSON (JavaScript Object Notation), HL7 (Health Level Seven) e DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine), entre outros. Entretanto, um dos protocolos mais comuns usados para interoperabilidade em sistemas de medicina é a API RESTful.

Interoperabilidade na saúde e API RESTful

A API RESTful é um dos padrões de comunicação mais utilizados na interoperabilidade, especialmente no contexto de sistemas da web. A REST (Representational State Transfer) é um estilo de arquitetura para sistemas distribuídos baseados em HTTP, que usa os métodos padrão do HTTP (GET, POST, PUT, DELETE, etc.) para acessar e manipular recursos através de uma interface uniforme.

Uma API RESTful permite que diferentes sistemas e aplicativos se comuniquem de forma padronizada, independente da linguagem de programação ou do sistema operacional que estejam utilizando. Isso ocorre porque a API RESTful segue um conjunto de princípios bem definidos, que tornam a comunicação entre sistemas consistente e previsível.

Para aqueles que ainda não utilizam um sistema de gestão, ou mesmo para quem já utiliza, é sempre importante ressaltar que o sistema Ninsaúde Clinic trabalha com a API RESTful, o que permite que você realize integrações que ajudarão a sua clínica a se destacar no mercado da saúde, já que a API do Ninsaúde Clinic fornece uma maneira padronizada e eficiente de compartilhar dados e recursos, permitindo que diferentes sistemas trabalhem juntos de forma integrada.

A plataforma de desenvolvimento utilizada no Ninsaúde Clinic fornece uma API Restful para construir experiências ricas com aplicativos web, mobile e desktop com todos os recursos que a sua clínica precisa, além contar com infraestrutura tecnológica escalonável e segura. Todas as requisições possuem segurança ponta a ponta com certificado de segurança Lets Encrypt Authority X3 2048 bits. Eventualmente, scanners de vulnerabilidades são utilizados para rastrear possíveis falhas de segurança.

A infraestrutura também é certificada por SSAE16 / ISAE 3402 Type II, ISO 27001, ISO 27017, ISO 27018, FedRAMP ATO, PCI DSS v3.2 e HIPAA. Os tokens utilizados seguem os padrões da autenticação OAUTH2. A utilização do Refresh Token substitui o compartilhamento de conta, usuário e senha com os aplicativos. O Access Token, utilizado nas requisições a plataforma, possui validade de 15 minutos. Saiba mais sobre o assunto na página de desenvolvedores do site do sistema para clínicas Apolo.

O uso de integrações na gestão de clínicas

A interoperabilidade na saúde caminha junto com duas ferramentas que podem ser essenciais para uma gestão de sucesso em sua clínica, sendo elas o Power BI e o SAP BusinessObjects BI Suite, já que ambas podem ajudar as clínicas médicas a tomar decisões mais informadas e eficazes com base em informações precisas e atualizadas.

A Suíte SAP BusinessObjects é uma plataforma de Business Intelligence que permite que as empresas criem, visualizem e compartilhem informações em toda a organização, permitindo que as empresas acessem dados de diferentes fontes, como bancos de dados, planilhas e aplicativos de negócios, e os transformem em informações úteis por meio de painéis e relatórios.

O Power BI, por outro lado, é uma plataforma de análise de dados da Microsoft que permite que as empresas visualizem e compartilhem informações por meio de painéis interativos e relatórios personalizados. Ele também permite que as empresas acessem dados de diferentes fontes e os transformem em insights acionáveis. Muitas empresas, geralmente de consultoria, têm conectado a tecnologia Power BI a um sistema de gestão, como o sistema Ninsaúde Clinic, a fim de obter dados para a criação de ideias que possam aumentar o faturamento destas clínicas, por exemplo.

Ao integrar o Power BI e a Suíte SAP BusinessObjects, as empresas podem criar uma solução de Business Intelligence mais robusta e integrada. Um bom exemplo é usar o SAP BusinessObjects para acessar dados de diferentes fontes e transformá-los em informações úteis, e o Power BI para visualizar e compartilhar essas informações. Neste contexto, as empresas de consultoria empresarial podem usar a interoperabilidade na saúde para ajudar as clínicas a monitorar e analisar seus KPIs (Indicadores-chave de desempenho) em tempo real.

Com a interoperabilidade, as empresas de consultoria empresarial podem integrar os dados de várias fontes, como bancos de dados, sistemas de gestão de clínicas, aplicativos de monitoramento de pacientes, entre outros. Essa integração de dados pode permitir que as clínicas acompanhem os KPIs importantes, como a taxa de ocupação de leitos, a rotatividade de pacientes, as taxas de satisfação do paciente e outras métricas importantes em tempo real.

Com base nessas informações, as empresas de consultoria empresarial podem ajudar as clínicas na tomada de decisões para mudar suas estratégias, conforme o comportamento dos pacientes. Por exemplo, se a taxa de ocupação de leitos estiver alta, as clínicas podem decidir expandir suas instalações ou reduzir o número de pacientes admitidos. Da mesma forma, se a taxa de satisfação do paciente estiver baixa, as clínicas podem decidir implementar novas políticas de atendimento ao paciente.

Imagem por Freepik

A interoperabilidade em um sistema de gestão também pode permitir que as clínicas não só melhorem seus processos de negócios, mas também reduzam custos e aumentem a eficiência. Por exemplo, ao integrar dados de várias fontes, uma empresa de consultoria empresarial pode ajudar a sua clínica a identificar áreas de desperdício e ineficiência e implementar estratégias para melhorar esses processos.

As clínicas também podem usar a interoperabilidade para anexar informações de pacientes em sistemas de gestão de forma mais eficiente e segura. Isso pode melhorar o atendimento ao paciente, reduzir erros e agilizar o processo de tratamento. É interessante como muitas clínicas ainda coletam dados de seus pacientes através de formulários e outras fichas enviadas por e-mail, sendo necessário realizar todo um trabalho manual para transferir essas informações para seus prontuários. Por outro lado, sistemas de gestão para clínicas como o Ninsaúde Clinic possuem funcionalidades que agilizam essa dinâmica.

Utilizando os benefícios da API RESTful, Suíte SAP BusinessObjects e Power BI, é possível, por exemplo, realizar uma integração com o site da clínica, onde através dele o paciente poderá inserir suas informações, sejam elas em fichas cadastrais, pesquisas de satisfação e até mesmo respostas de formulários. Com a integração já em funcionamento, sempre que o paciente inserir estas informações, elas serão anexadas automaticamente ao cadastro do paciente dentro do software médico, o que significa que não haverá a necessidade de trabalhos manuais para transferi-las.

E aí, gostou das dicas? Continue acompanhando o blog para ficar por dentro de mais conteúdo como este. É profissional de saúde mas ainda não utiliza um software de gestão? Conheça o sistema Ninsaúde Clinic.