O câncer de mama é uma doença caracterizada pela multiplicação desordenada de células, formando assim um tumor. Apesar de remeter às mulheres, o câncer de mama pode acometer homens também, no entanto correspondem a apenas 1% dos casos.

Existem diversos tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem lentamente. A maioria dos casos, quando tratados adequadamente e em tempo oportuno, apresentam bom prognóstico.

Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA) no ano de 2014, o câncer de mama foi o tipo mais frequente de câncer em mulheres no Brasil e no mundo. Ele também foi responsável pelo maior número de mortes por câncer em mulheres no mesmo ano. Já em 2021, as estatísticas revelam os seguintes dados: houve uma estimativa de 66.280 novos casos, enquanto o número de mortes foi de 18.295, sendo 18.068 mulheres e 227 homens (2019 - Atlas de Mortalidade por Câncer - SIM).

Apesar dos dados alarmantes, sua ocorrência é relativamente rara antes dos 35 anos e nem todo tumor é maligno – a maioria dos nódulos detectados na mama é benigna. Além disso, quando diagnosticado e tratado na fase inicial da doença, as chances de cura do câncer de mama chegam a até 95%.

Antes de continuarmos, precisamos saber: você já utiliza um software médico para realizar seus atendimentos na clínica? Convidamos você a conhecer o Ninsaúde Apolo, software online que pode ser utilizado em um tablet, smartphone ou da forma tradicional, em computadores. Saiba mais em nosso site apolo.app.
Foto original de Olya Kobruseva no Pexels

Principais causas do câncer de mama

O câncer, de modo geral, pode ter várias causas. Fatores externos ou internos ao organismo contribuem para o desenvolvimento da doença. As causas externas estão relacionadas ao meio ambiente, aos hábitos, costumes e qualidade de vida da própria pessoa. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas e estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas.

Com relação ao câncer de mama, pode-se dizer que seu principal fator de risco é a idade. Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos. Estatísticas revelam que a cada cinco casos, quatro acontecem após os 50 anos. Além disso, há o aumento da sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não.

Outros fatores que aumentam o risco da doença evoluir são:

  • Histórico de câncer (de mama e de ovário) na família;
  • Primeira gravidez após os 30 anos de idade;
  • Exposição frequente a radiações ionizantes;
  • Sedentarismo, obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona).
Imagem por Freepik

Principais sintomas

Os sintomas do câncer de mama podem variar de pessoa para pessoa, sendo que algumas podem nem mesmo apresentar quaisquer sintomas. A principal manifestação da doença se dá por meio de nódulo (caroço) no seio, geralmente indolor. Esse nódulo pode ser muito pequeno e estar presente também nas axilas e no pescoço. Outros sintomas são:

  • Inchaço de toda ou parte de uma mama (mesmo que não se sinta um nódulo);
  • Nódulo único endurecido;
  • Irritação ou abaulamento de uma parte da mama;
  • Dor na mama ou mamilo;
  • Inversão do mamilo;
  • Eritema (vermelhidão) na pele;
  • Edema (inchaço) da pele;
  • Espessamento ou retração da pele ou do mamilo;
  • Secreção sanguinolenta ou serosa pelos mamilos;
  • Linfonodos aumentados.

Prevenção ao câncer de mama

A prevenção do câncer de mama não é totalmente possível em função da multiplicidade de fatores relacionados ao surgimento da doença e ao fato de vários deles não serem modificáveis. De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores, especificamente aqueles considerados modificáveis.

Entretanto, foi comprovado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), que a maioria dos casos de câncer de mama são detectados pela própria mulher, por meio da apalpação das mamas. Esta pesquisa representa 66,2% do casos, e por esse motivo, realizar o autoexame é tão importante. Realizar o autoexame é muito simples, confira as dicas:

  • Em frente ao espelho, observe o bico e a superfície dos seios, além do contorno das mamas;
  • Faça movimentos circulares, para baixo e para cima, de um lado para outro. Observe se há a presença de alguma secreção saindo dos mamilos;
  • Em pé, levante o braço e observe se o movimento altera o contorno e a superfície das mamas;
  • Deitada, coloque um braço embaixo da cabeça, e examine as mamas com a mão oposta.

O autoexame permite que com o toque a mulher sinta nódulos a partir de 1 centímetro de comprimento. Lembre-se de que quanto mais cedo for descoberto, mais fácil será combatê-lo. Caso detectado, a mulher deve procurar um médico o quanto antes, pois apenas ele poderá diagnosticar a doença. O exame clínico anual pode ser realizado por um ginecologista ou mastologista.

Estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Controlar o peso corporal e evitar a obesidade, por meio da alimentação saudável e da prática regular de exercícios físicos, e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações básicas para prevenir o câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator protetor.

Origem do Outubro Rosa

O movimento teve início nos Estados Unidos, em meados dos anos 90, quando anualmente no mês de outubro eram feitas ações isoladas em diversos estados com o objetivo de prevenir a doença. Mais tarde, outubro acabaria se tornando o mês nacional de prevenção ao câncer de mama nos Estados Unidos.

A cor rosa foi utilizada em virtude da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York em 1990, quando laços cor-de-rosa foram distribuídos aos participantes. Conforme a campanha crescia, outras ações como corridas e até mesmo desfiles de moda foram surgindo, e assim começou também o costume de iluminar prédios, pontes e monumentos com a cor rosa.

A campanha foi se tornando conhecida mundialmente, e diversos países começaram a aderir, até que no dia 02 de outubro de 2002 o Brasil toma sua primeira iniciativa com relação à causa, iluminando de rosa o monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (mais conhecido como o Obelisco do Ibirapuera), situado na cidade de São Paulo.

Fonte: Ministério da Saúde | INCA